Oi, gente! Eu sou Aline, mãe de Cauê, psicóloga, doula e amante da dança.

Fui aluna de dança do ventre de Liana há alguns anos e, por uma coincidência do destino, engravidamos na mesma época. O ano em que fiquei grávida foi o ano que estive mais ativa na dança. Liana já estava morando em São Paulo e eu fazia, em Aracaju, aulas de ballet, dança do ventre e experimentações de dança em outras modalidades. Continuei a fazer as aulas de dança do ventre e ballet durante a gestação e isto foi maravilhoso, contudo, como fazia “aulas normais” não conseguia acompanhar a aula toda, pois havia movimentos que não eram adequados nem seguros para mim e meu bebê.

O BellyMamãe traz o diferencial de ser uma aula totalmente voltada para as gestantes, mamães e bebês, sendo elaborada para que estes consigam desfrutar da aula com segurança e usufruindo com tranquilidade dos benefícios que a dança proporciona.

Durante a gestação a dança proporciona a mulher um aumento da sua autoestima, da feminilidade, da confiança, e do desejo sexual, que costumam ser abalados com as mudanças desse período. No puerpério, o BellyMamãe torna-se um grande aliado na prevenção da depressão pós-parto, quadro no qual a mulher apresenta sintomas de irritabilidade, tristeza, incapacidade de cuidar do seu bebê, fadiga e sentimentos de solidão.  Pode também ajudar a puérpera a lidar melhor com a fase do baby blues/blues pós-parto que é uma fase adaptativa para essa nova mãe, que passa pela experiência simbólica de separação do seu bebê já que este encontra-se agora fora do seu corpo.

Para o bebê o BellyMamãe é um recurso que contribui no processo da exterogestação, que busca dar continuidade a gestação na vida extrauterina do bebê para auxiliar na transição ao mundo aqui fora. A teoria formulada pelo antropólogo Ashley Montagu, explica que o bebê nasce absolutamente dependente.  E, para auxiliá-lo na transição ao mundo aqui fora, devemos adaptar os nossos cuidados com o bebê tentando aproximar ao máximo da forma como era quando estava na barriga da mãe. O sling é um grande aliado nesse momento. “Ele deixa o bebê mais aconchegado e perto da mãe, ouvindo sua respiração e batimento cardíaco, sentindo seu cheirinho, tendo seu toque e acesso ao seio materno em livre demanda”.  Dessa forma o BellyMamãe contribui também no aumento do vínculo mãe e bebê.

A imagem pode conter: 2 pessoas, criança, sapatos e atividades ao ar livre

Foto: Genival Júnior na Aula Aberta do BellyMamãe em Aracaju/SE

Para mais informações sobre gestação, parto, pós-parto e os aspectos psicológicos envolvidos nesse processo acompanhem minha página no facebook Doula Aline Souza e no instagram @doulaalinesouza.

 

Obrigada pela leitura.

Beijos.

Aline Souza.